Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

GOSTAS DE HISTÓRIA?

Apontamentos e reflexões sobre temas históricos do passado ao presente...

GOSTAS DE HISTÓRIA?

Apontamentos e reflexões sobre temas históricos do passado ao presente...

D. Maria II, menina, mulher e rainha

04.04.12

Transcrevemos do portal O LEME, uma biografia muito completa sobre a rainha D. Maria II, nascida a 4 de abril de 1819.

"Era domingo de Ramos naquele dia 4 de Abril de 1819. Foi com emoção e alegria que o rei D. Pedro IV de Portugal e sua mulher, a arquiduquesa Leopoldina de Áustria, tiveram a sua primeira filha: nascida em terras brasileiras, no palácio da Boavista. Alí vivia a família real, fugindo aos franceses que tinham invadido o reino.
Decerto, alguém se esqueceu de convidar as fadas para o banquete de baptizado, pois esta princesinha, loira como a mãe, de pele muito fina, não teve na pia batismal mais do que um nome pomposo e um título, como se impunha à sua condição de futura rainha – Maria da Glória Joana Carlota Leopoldina da Cruz Francisca Xavier de Paula Isidora Micaela Rafaela Gonzaga, princesa da Beira e do Grão-Pará. Mas ninguém pegou na varinha de condão para desejar a esta menina uma vida longa e feliz, sem perturbações nem escolhos.
Na quinta de São Cristóvão, no Rio de Janeiro, Maria da Glória vai ter uma infância despreocupada e feliz, educada e muito amada pelas camareiras do palácio e pelos pais. Aos 7 anos, essa alegria é interrompida abruptamente com a morte da mãe. O pai será o seu grande amigo e protetor. Nem mesmo os graves problernas políticos que D. Pedro IV enfrenta no Brasil e em Portugal lhe fazem esquecer a sua filha mais velha a quem vai escrever cartas sempre ternas, que terminavam “adeus minha adorada filha...teu saudoso pai que muito te ama D. Pedro”.
Estava-se no ano de 1822 e a nossa princesa contava dois anos e meio quando nas margens do rio Ipiranga se dá o grito da independência do Brasil. Em Portugal, morre, entretanto, D. João VI e seu filho, D. Pedro IV, residente no Brasil, vai ter de optar entre ser imperador do Brasil ou rei de Portugal.
Escolhe o Brasil e, em 1826, abdica do trono de Portugal, em nome da filha, Maria, apenas com sete anos.
Outorga a Carta Constitucional e, simultaneamente, é combinado o casamento da jovem princesa com seu tio D. Miguel, na vã esperança de que em Portugal a paz pudesse triunfar. Mas adivinham-se graves perturbações. Esta menina começa a pouco e pouco a perceber que vai deixar de ser criança e que o seu destino lhe vai impor uma conduta diferente da das outra meninas da sua idade.
Aos 9 anos, é mandada para a Europa, acompanhada pelo marquês de Barbacena, seu tutor, homem de confiança de seu tio D. Pedro, também ele nascido no Brasil, general e diplomata. O destino é a corte de Viena, para ser educada pela avó materna, mulher de Francisco I. Mas, durante o tempo da viagem, D. Miguel, em Portugal, proclama-se rei e o marquês de Barbacena considera mais seguro rumar a Falmouthe e, depois, até Londres. Nesse período, em Inglaterra, havia uma numerosa colónia de portugueses liberais exilados. D. Maria é recebida com entusiasmo em Plymouth. Reinava em Windsor o rei Jorge IV. O duque de Wellington bem como lord Beresford, que, anos antes, tinham comandado os exércitos portugueses ao serviço de D. João VI, vão prestar-lhe as homenagens devidas. Nos seus 9 anos precoces, Maria da Glória diz ao duque de Wellington: “Sei que vós noutro tempo salvastes meu avô; espero portanto que também agora salveis sua neta” e Jorge lV na recepção no palácio vai brindar “à sua jovem amiga e aliada, a rainha de Portugal.”
Sobre D. Maria, escrevia Almeida Garrett, no exílio: “Uma princesa que tem de reinar por si e por seu próprio direito, é fêmea de facto e varão de direito e a educação tem, neste caso, de contrastar a natureza e diminuir quanto é possível a mulher para que só fique a rainha”.
Por motivos de segurança, em 1829, D. Maria teve de regressar ao Brasil. As longas viagens devem ter-lhe dado tempo para meditar na sua vida, na maturidade que lhe era pedida ainda tão nova. E preparava-se para ser rainha, ainda sem saber que o seu reinado seria dos mais terríveis períodos da nossa História, época de radicalismos e constante guerra civil.
Sempre acompanhada da sua fiel camareira, D. Leonor da Câmara, Maria da Glória encontra no Brasil o pai casado pela segunda vez com Amélia de Beauharnais. É esta que se vai incumbir da sua educação, impondo-lhe um horário espartano de estudo. Ela nunca simpatizou com a camareira, amiga e confidente da jovem princesa.
Em Portugal, a agitação é grande e, no Brasil, o seu pai tem também problemas difíceis. Uma vez mais, Maria da Glória vai ter de atravessar o Atlântico, numa prolongadíssima viagem de 93 dias.  Chega a Brest a 11 de Julho e parte depois com o pai e a madrasta para Paris. D. Pedro vai voltar com a filha a Londres, no dia 7 de Agosto. É recebida pelos portugueses exilados políticos que, representados por uma delegação, irão, no dia 15, oferecer-lhe o belíssimo ceptro de ouro onde se evoca a Carta Constitucional. Prenda de enorme significado político e de enorme valor com o qual a rainha se vai deixar retratar em mais de uma ocasião.
Segue depois para Paris, para a corte de Luís Filipe de Orleães, liberal e democrata que apoiava o partido de D. Pedro IV. A princesa e D. Amélia vão ficar hospedadas num palácio perto de Paris.
Para a princesa Maria esta curta estadia vai ser recordada como um dos períodos mais felizes da sua atribulada existência: idas ao teatro, bailes, convivência com os filhos de Luís Filipe, passeios, enfim, uma lufada de ar fresco nestes nove anos de constante vaivém. Será aqui que uma grande amizade irá nascer e durará até ao fim dos seus dias: Clementina, filha do rei, será a sua maior amiga, tendo trocado cartas regularmente. Essa amizade será mais tarde cimentada com o casamento desta princesa de França com um irmão do futuro marido de D. Maria. Dez anos depois, vão encontrar-se as duas em Portugal.
Enquanto D. Pedro IV organiza os apoios para a causa liberal contra o irmão Miguel, vai escrevendo para a filha, acompanhando o seu desenvolvimento intelectual e humano. A princesa tem os mesmos mestres que os infantes de Orleães. Talvez o amor paterno tenha sido um factor importante na futura maneira como a jovem rainha irá ser mãe e educadora. Para alguns historiadores, a rainha terá cometido erros graves como governante, mas são unânimes em lhe reconhecer os dotes de educadora. Daí o seu cognome.

IRMÃO CONTRA IRMÃO

As lutas prosseguem em território nacional entre apoiantes de D. Pedro e de D. Miguel entre liberais e absolutistas. A resistência a D. Miguel tinha na ilha Terceira, onde chegará D. Pedro, o seu quartel-general e a sua bem organizada armada, com dezenas de fragatas e outras embarcações e milhares de homens que vão, a 7 de Julho de 1832, desembarcar no Mindelo, no norte do país. Vai ser o grande dia de triunfo das forças liberais de todo o país.

No ano seguinte, a população de Lisboa vai receber entusiasticamente D. Pedro e o duque da Terceira. É então decidido que o marquês de Loulé vá a Paris buscar a futura rainha, na esperança de que a sua presença seja factor de pacificação dos exércitos rivais. Mas as lutas prosseguem por mais uns meses e só em 26 de Maio de 1834 o vencido D. Miguel vai assinar a capitulação na Convenção de Évora-Monte. A 1 de Junho, parte para Génova para o exílio, sendo-lhe proibido voltar a Portugal.

Tem 15 anos quando sobe ao trono D. Maria II, o 29.º monarca português e a segunda rainha reinante da nossa História. As Cortes reúnem expressamente para proclamar a maioridade da rainha. O seu primeiro ato oficial, em Setembro de 1834, foi conceder a seu pai, já entre a vida e a morte, a Grã- Cruz da Ordem de Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito. Foi a própria rainha que lha colocou ao peito, perante a corte emocionada ao presenciar este gesto de justiça e ternura de uma jovem rainha para com aquele que fora muito mais do que rei, muito mais do que imperador, fora o seu grande amigo e protetor. O pai morre poucos dias depois e D. Maria vai perceber que, a partir de agora, só consigo pode contar. Até a sua camareira fora afastada. A madrasta e as tias não lhe oferecem segurança. E vai enfrentar um país dividido em dois. O seu primeiro ministério, presidido pelo duque de Palmela, encontra a oposição das Câmaras. Mas, por agora e por motivos políticos, é prioritário que a rainha se case e dê um herdeiro ao pais. Às rainhas de Portugal estava vedado o casamento com estrangeiros e mesmo na Carta Constitucional de 1836 esse preceito ficara expresso. As Câmaras tiveram, pois, de se reunir para autorizar que a rainha pudesse casar com um estrangeiro.
Dos diversos noivos que lhe estiveram destinados, a madrasta vai-lhe escolher o seu próprio irmão. Fica decidido o casamento com Augusto de Leuchtenberg, neto de Maximiliano da Baviera. A jovem rainha bem teria preferido casar com o duque de Nemours, filho de Luís Filipe de Orleães, que ela conhecia. Mas não lhe era permitido ter opinião, nessa altura. Acima de tudo, os interesses do Estado. Ou dos que a madrasta de Maria representava. Luís Filipe de Orleães vai sentir esta escolha como uma afronta. Não podemos esquecer que a família real francesa tinha recebido D. Pedro, D. Amélia e D. Maria magnificamente, permitindo que D. Pedro organizasse num porto francês a frota que desembarcara no Mindelo e proporcionado à família portuguesa, num momento de crise, uma estadia verdadeiramente de luxo, tendo inclusivamente posto um palácio à sua disposição, com guarda de honra de cavalaria e infantaria, não privando os nobres hóspedes da menor atenção. Ao saber que a mão do seu filho era preterida pela de um príncipe austríaco, Luís Filipe vai ostensivamente demonstrar a sua desaprovação.
O casamento foi celebrado em 28 de Janeiro de 1835 mas o noivo morre de angina dois meses depois. Ainda mal refeita do acontecido, decidem casá-la de novo. O escolhido é Fernando de Saxe-Coburgo-Gotha, casamento negociado pelo conde de Lavradio, ministro dos Negócios Estrangeiros do primeiro Governo Constitucional.

 

Fonte: O Leme

Batalha de Aljubarrota

04.04.12

Sobre o contexto político da batalha de Aljubarrota, pode-se ler no site:

"Com a morte do rei D. Fernando em 1383, o Tratado de Salvaterra de Magos, celebrado em Abril desse ano entre a rainha D. Leonor Teles, o Conde João Andeiro e o Rei de Castela, estabelece que a Coroa de Portugal passaria a pertencer aos descendentes do Rei de Castela, D. Juan I, passando a capital do Reino para Toledo. O Reino de Castela iria inevitavelmente dominar Portugal. A situação que se cria provoca mal estar e não agrada á maioria da população portuguesa.

Analisando a crise política de 1383 a 1385, é possível referir que na sua origem esteve, em primeiro lugar, o descontentamento popular existente, resultante não só da degradação das condições de vida da generalidade da população, mas também pela perspectiva do Reino de Portugal vir a perder a sua independência.

Este desejo de alterações foi então facilitado pelo facto de D. Leonor Teles e os seus aliados defenderem uma solução política para Portugal, não só discutível legalmente, como claramente do desagrado da grande maioria da população portuguesa.

Em face desta circunstância, a população de Lisboa proclama D. João, Mestre de Avis, meio irmão de D. Fernando, como "regedor, governador e defensor do reino". Perante a revolta da população portuguesa em vários pontos e cidades do Reino, o Rei de Castela, em 1384, entra em Portugal. Entre Fevereiro e Outubro monta um cerco a Lisboa, por terra e por mar, com o apoio da frota castelhana. O cerco não resulta, não só pela determinação das forças portuguesas, mas também por Lisboa estar bem murada e defendida.

Afastados momentaneamente os combates com Castela, o partido do Mestre avançou, então, para a batalha política. Reúnem-se assim em Março e Abril de 1385 as Cortes de Coimbra, que proclamam o Mestre de Avis como Rei de Portugal.

Perante esta situação em 8 de Julho de 1385 D. Juan I, invade novamente Portugal, por Almeida, com um numeroso exército de 40.000 homens, seguindo depois por Trancoso, Celorico da Beira, Coimbra, Soure e Leiria. A esquadra castelhana havia entretanto cercado Lisboa por mar, desde Abril desse ano. O exército português, comandado por Nuno Álvares Pereira, tinha-se colocado em posição de combate. A Batalha tinha-se tornado praticamente inevitável.

O desenrolar da Batalha

No dia 14 de Agosto, logo pela manhã, o exército de D. João I ocupa uma posição fortíssima no terreno, escolhido na véspera por Nuno Álvares Pereira. No final da manhã chegam os castelhanos, que circulam pela estrada romana.

Evitam o choque com os portugueses, uma vez que isso implicaria a subida de um terreno em condições extremamente desfavoráveis. Preferem tornear a forte posição portuguesa pelo lado do mar, até estacionarem na ampla esplanada de Chão da Feira. O exército português constituído por aproximadamente 7.000 homens de armas, move-se então uns dois quilómetros para Sul e inverte a sua posição de batalha para ficar de frente para o inimigo.

Passava das 18 horas quando se deu o assalto castelhano à posição portuguesa. Uma vez iniciada a batalha, é então possível referir os cinco principais momentos do combate:

1º- a impetuosa vanguarda do rei de Castela (na sua maior parte constituída por tropas auxiliares francesas, como claramente assegura Froissart) inicia o ataque provavelmente a cavalo, sendo rechaçada nas obras de fortificação antecipadamente preparadas pela hoste de D. João I, obras essas que constituíram uma surpresa absoluta para os seus arrogantes adversários. Para prosseguir o combate, os franceses são obrigados a desmontar (aqueles que o conseguem fazer) na frente do inimigo e, por isso, em posição absolutamente crítica.

2º- ao saber do desbarato da sua linha da frente, D. Juan I decide mandar avançar o resto do exército então presente no Chão da Feira, maioritariamente também a cavalo. Ao aproximarem-se da posição portuguesa, apercebem-se de que - contrariamente ao que supunham - o combate está a ser travado a pé (ou tem de ser travado a pé, dadas as características do sistema de entrincheiramento defensivo gizado pela hoste portuguesa). Por isso, os cavaleiros castelhanos desmontam cedo e percorrem a pé o que lhes falta (escassas centenas de metros) até alcançarem os adversários. Ao mesmo tempo, cortam as suas compridas lanças, para melhor se movimentarem no corpo-a-corpo que se avizinha;

3º- entretanto, os homens de armas de D. Juan I vão sendo crivados de flechas e de virotões lançados respectivamente pelos arqueiros ingleses e pela “ala dos namorados” portuguesa, o que, juntamente com o progressivo estreitamento da frente de batalha (devido aos abatises, às covas de lobo e aos fossos) os entorpece, embaraça e torna "ficadiços" (de acordo com Fernão Lopes) e os aglutina de maneira informe na parte central do planalto; tais foram, porventura, os minutos mais decisivos da jornada;

4º - quanto às alas castelhanas, essas permanecem montadas, destinadas que estavam - como era tradicional na época - a ensaiar um envolvimento montado da posição portuguesa, coisa que, devido à estreiteza do planalto, apenas a ala direita (chefiada pelo Mestre de Alcântara ) terá conseguido, e mesmo assim numa fase já tardia da refrega;

5º- o pânico apodera-se do exército castelhano, quando dentro do quadrado português, a bandeira do monarca castelhano é derrubada. Os castelhanos precipitam-se então numa fuga desorganizada. Segue-se uma curta, mas devastadora perseguição portuguesa, interrompida pelo cair da noite. D. Juan de Castela põe-se em fuga, em cima de um cavalo, juntamente com algumas centenas de cavaleiros castelhanos. Percorre nessa noite perto de meia centena de quilómetros, até alcançar Santarém, exausto e desesperado. Até à manhã do dia seguinte, milhares de castelhanos em fuga são chacinados por populares nas imediações do campo de batalha e nas aldeias vizinhas.

O restante das forças franco-castelhanas saem de Portugal, parte passando por Santarém e depois por Badajóz e a outra parte, através da Beira, por onde tinham entrado.

No campo de batalha, as baixas portuguesas foram cerca de 1.000 mortos, enquanto no exército castelhano se situaram em aproximadamente 4.000 mortos e 5.000 prisioneiros. Fora do campo da batalha, terão sido mortos nos dias seguintes pela população portuguesa, cerca de 5.000 homens de armas, em fuga, do exército castelhano. Devido ao significado político da Batalha e aos seus numerosos nobres e homens de armas que aí morreram, Castela permaneceu em luto por um período de dois anos.

Consequências da Batalha de Aljubarrota

Para a Europa, a Batalha de Aljubarrota constituiu uma das batalhas mais importantes ocorridas em toda a época medieval.

Para Portugal, esta batalha, ocorrida no planalto de S. Jorge no dia 14 de Agosto de 1385, constituiu um dos acontecimentos mais decisivos da sua História.

Sem ela, o pequeno reino português teria, muito provavelmente, sido absorvido para sempre pelo seu poderoso vizinho castelhano.

Sem o seu contributo, o orgulho que temos numa história largamente centenária, configurando o estado português como uma das mais vetustas e homogéneas criações políticas do espaço europeu, não seria hoje possível.

A vitória portuguesa em Aljubarrota permitiu também a preparação daquela que seria a época mais brilhante da história nacional - a época dos Descobrimentos - que, de outra forma, pura e simplesmente não teria ocorrido.

A Batalha de Aljubarrota proporcionou definitivamente a consolidação da identidade nacional, que até então se encontrava apenas em formação, e permitiu às gerações futuras portuguesas a possibilidade de se afirmarem como nação livre e independente."

Fonte: Fundação Batalha de Aljubarrota